uol_bissexualidade615x300.jpg

“Bissexualidade é safadeza”. Isso (ou algo bem parecido) deve ser uma das primeiras coisas que toda pessoa que está se descobrindo bissexual escuta. Me entender como bissexual tem tem sido um processo bastante tortuoso pra mim, mas não pela auto-aceitação. Meu desconforto está no modo como as pessoas agem ao meu redor quando tomam conhecimento da minha orientação sexual. Quero colocar aqui algumas dessas situações desconfortáveis (para dizer o mínimo):

 giphy.gif1 – A clássica pergunta: Mas você gosta mais de mulher ou de homem? A necessidade das pessoas de enquadrar e entender as outras é tamanha que no começo eu preferia ir dançando de acordo com a música. Se eu estivesse com uma menina, me dizia lésbica. Se estivesse com um garoto, era hétero. Era mais fácil, mas também não era verdade, porque não caibo nesses padrões sem suprimir uma grande parte de mim. Até hoje eu de fato não entendo porque alguém precisa saber se eu fico com mais homens ou mais mulheres, se eu gosto mais de um gênero ou de outro, e até acho que algumas pessoas não perguntem por maldade, mas elas precisam saber que questões como essa parecem uma tentativa de apagar nossa orientação sexual. Se eu disser que gosto mais de homens vão dizer “ah, então você está apenas experimentando.” Se um homem bi disser que gosta mais homens, vão logo dizer que “ele é gay, mas não tem coragem de assumir”. E a parte mais chata é que você também escuta isso de pessoas LGBT.

2 – E falando na comunidade LGBT, a segunda das situações desconfortáveis (pra não dizer irritantes, e que tenta desvisibilizar o bi) é: “Você não entende o que é ser queer, porque você pode escolher”. Mas não pessoas bissexuais não podem escolher. Às vezes nos encontramos em relacionamentos hétero normativos e eles podem ser menos complicados do ponto de vista externo, mas internamente há o preconceito com o fator “gostar de meninos e meninas”. Além disso, pessoas bissexuais não se apaixonam pelo gênero e sim pela pessoa. Não conheço nenhuma bissexual que diga “É, eu vou namorar apenas homens porque é mais fácil”, se estivermos apaixonadas por uma mulher, estaremos apaixonadas por uma mulher. E iremos receber todos os olhares tortos e preconceitos que veem com isso.

2mcey35.gifAprendam com a Callie, nos fazemos parte da comunidade.

3 – Falando em se apaixonar…outras duas questões problemáticas para pessoas bissexuais são promiscuidade e monogamia. 

Eu estava numa festa com um cara com quem estava ficando, nós não estávamos namorado, mas já tínhamos tido a conversa sobre não ficar com mais ninguém, assim como já tínhamos tido a conversa sobre minha bissexualidade. Ele saiu pra fumar e eu fiquei dançando com alguns amigos, até que uma garota (lésbica) que eu achava linda (e tinha comentado com ele) se aproximou e eu dancei com ela. Quando ele voltou viu a cena e me chamou num canto. Foi a primeira vez que eu ouvi ele dizer “mas vocês bissexuais não são confiáveis”, foi também o último dia que sai com ele.  

Tudo bem que monogamia não é uma questão problemática apenas para pessoas bi. Gays e lésbicas (essas talvez um pouco menos) estão sempre sendo questionados sobre isso. E o que mais me incomoda, falando como pessoa bi, é o fato de que isso não coloca em cheque apenas o nosso comprometimento pessoal, mas toda a validade das nossas relações afetivo-amorosas.

tumblr_n6k514F9LV1to2smdo1_250.gif
Eu já perdi a conta de quantas vezes ouvi coisas do tipo: “Não tem problema, tem? Porque se você é bi, tem sempre um passe livre com o outro gênero”. CLARO QUE TEM PROBLEMA. Ser bi não significa que a gente sai por aí pegando pessoas a torto e a direito (nada contra sair por aí pegando pessoas a torto e a direito, mas isso não deve ser um esteriótipo relacionado à uma orientação sexual). Nos podemos estar em relacionamentos poligâmicos, mas eles são acordados. Traição e poligamia são coisas completamente diferentes.

E quando você está se relacionando, de forma monogâmica, com alguém que não é bissexual há uma carga de ciúme e estresse sem tamanho. Principalmente com homens. Não somos confiáveis porque nos relacionamos com ambos os gêneros. Você não pode sair com um amiga/amigo sem que essa pessoa seja vista como um potencial caso. É horrível quando alguém tenta fazer com que você se sinta mal pela sexualidade, porque ela não é uma escolha. Quando se é bissexual não existe um botão de ajuste. Nós não somos meio héteros, meio gays. Não podemos escolher que lado ativar de acordo com o que for mais conveniente.

Anúncios